Iniciativas Sustentáveis

Irrigador solar reduz consumo de água e energia

Tecnologia sustentável desenvolvida pela Embrapa tem baixo custo e pode ser usada na agricultura e em jardins

Pesquisadores da Embrapa Instrumentação, em São Carlos (SP), criaram uma invenção à base de materias recicláveis que pode ser de grande ajuda para pequenos produtores rurais e até mesmo cultivadores amadores. Trata-se de um irrigador solar não motorizado desenvolvido para auxiliar na irrigação de pequenas plantações através do método de gotejamento com o uso do sol e sem desperdícios.

Liderado pelo físico Washington Luiz de Barros Melo, o projeto teve como foco inicial reduzir o consumo dos recursos naturais no setor agropecuário. Washington revela que desde a metade da década de 1990 já era previsto que a água seria um recurso muito caro finaceiramente no futuro e que era necessário repensar o seu uso e, ao saber que a produção rural é uma atividade que usa muita água e que sua captação para uso urbano está cada vez mais distante, percebeu que utilização racional se tornaria um fato no futuro. Ao descobrir que a irrigação consome cerca de 60% de água e que há um enorme desperdício da mesma (a maior parte é por aspersão na qual parte da água é desviada pelo vento, uma parte desce pelo solo contribuindo pouco para a planta e uma terceira parte se evapora), o físico pensou em fazer algo para minimizar o uso da água ultilizando materiais recicláveis, que fosse de fácil acesso e não usasse eletricidade.

"Comecei a pensar em algum dispositivo que realizasse a irrigação por gotejamento. Para isto, usei uma garrafa PET de três litros, uma bexiga preta (bola de festa) e um tubo plástico (capa de fio elétrico). Coloquei a bexiga semi-cheia de ar dentro da garrafa, furei a tampa da garrafa e passei o tubo plástico, fiz a vedação e coloquei cerca de meio volume de água. Mas durante os testes, percebi que, dessa forma, o sistema se tornava inviável. Assim, pensei em outro dispositivo que fosse mais perene e que não precisasse de bexiga e o abastecimento fosse automático. Portanto, cheguei ao dispositivo que se encontra atualmente em funcionamento."

* Como funciona?

O equipamento desenvolvido pelo físico é baseado em um princípio simples da termodinâmica: o ar se expande quando aquecido, ou seja, funciona como uma bomba que pressiona a água para a irrigação. É feito com mangueiras, garrafas PET e de vidro.


Segundo ele, o sistema é econômico e ecológicoo, além de ter funcionamento simples. O atual sistema chamado de irrigador solar é composto basicamente por quatro recipientes: duas garrafas de vidro, sendo uma pintada de preto e duas garrafas PETS (ou qualquer recipiente de plástico). Os quatro estão conectados entre si e formam dois blocos com funções distintas.

O primeiro bloco é formado por uma garrafa de vidro (com meio volume de água) e um recipiente que contém a água para a irrigação, totalmente cheio. Esses recipientes estão conectados e, um tubo (ou mangueira) passa de um para o outro a água para a irrigação. O outro bloco é formado por uma garrafa de vidro preta conectada a uma PET cheia de água. A vedação entre ambas é muito importante. Desta PET saem dois tubos, um para o gotejador e o outro se liga ao bloco anterior na garrafa de vidro.

"Quando o sol nasce, a luz é absorvida pela garrafa preta cujo volume é preenchido por ar. O ar se aquece e se expande empurrando a água da PET. A água vai pelo tubo do gotejador e quando o fluxo de saída se forma, surge um vácuo na garrafa de vidro do primeiro bloco. Este suga a água do recipiente com água para irrigação. Esta água cai na garrafa de vidro e segue para a PET do segundo bloco que, por sua vez, segue para o gotejador. Assim, se diz que o sistema ficou 'escorvado'. Quando o dia esfria e noite chega, o fluxo é interrompido deixando de irrigar e o sistema reabastece ficando pronto para o dia seguinte.", explica Washington.

* Onde usar?

Esse modelo de irrigador solar é preferencialmente utilizado em agricultura familiar, jardins caseiros e hortas. O pesquisador afirma que ele também pode ser usado na área urbana como em apartamentos com varandas sendo uma ótima opção para o morador das grandes cidades que tem plantas em casa, mas não possui tempo para irriga-las diariamente ou está sempre viajando.

Segundo Washington, para produção agrícola em grande escala o equipamento não é viável, já que requer um volume considerável de água compatível com a área plantada.

* Quais as vantagens?

Washington Luiz afirma que o irrigador solar é um sistema de irrigação popular, onde qualquer pessoa poderia montá-lo em casa a partir de materiais recicláveis. Segundo o pesquisador, ele possui muitas vantagens uma vez que não usa energia elétrica e por isso favorece bastante sitiantes que não tem rede elétrica em casa. Para fazer um desses funcionar não precisa energia elétrica, nem bomba mecânica e nem célula solar para converter em energia elétrica (o que custa caro).

“Além disso, se utiliza materias recicláveis que muitas vezes iriam para o lixo ou para um aterro sanitário ou entupiria as galerias de água da cidade que poderiam causar inundação em centros urbanos e poluição”, lembra o físico.

* Quanto custa e como fazer?

De fácil acesso, o irrigador solar pode ser construido em casa usando materiais recicláveis e um tubo de cola. O site da Embrapa disponibiliza um manual com o passo a passo para construir o irrigador.

De acordo com o pesquisador, o custo médio do irrigador é estimado em R$ 20,00. Para uma montagem mais elaborada, usando bombona plástica, o valor pode sair por R$ 50,00 a 60,00. Se comparado a um equipamento convencional, que usa motor e bomba, o preço pode chegar até R$ 200,00.

"Como é utilizada a energia solar, que é gratuita, então, a economia é total. O irrigador é muito útil em região que não tem rede de energia elétrica", diz o pesquisador.

* Irrigador chama a atenção de produtores

Logo depois da divulgação do irrigador, a reação de pequenos produtores foi de intensa busca por informações no site da Embrapa. Em poucos meses o portal da empresa teve mais de 60 mil acessos e congestinou a capacidade de atendimento do SAC (Serviço de Atendimento ao Cidadão). Washington revela que houve contato de praticamente todos os estados do Brasil, e de países da América Latina, África, Europa e de pesquisadores dos Estados Unidos.

Por conta desse interesse todo, a Embrapa está contactando empresas que trabalham em confecção de peças plásticas para viabilizar um kit de montagem do irrigador solar para comercialização.

Fonte: Fonte: Procel Info

CONTATO

(81) 2127-0600

mvs@sindusconpe.com.br

CNPJ 11.010.725/0001-87