Notícias

22/11/2018 - Fonte: Procelinfo

Governo brasileiro precisa estimular construções sustentáveis, diz engenheiro

A cidade de Curitiba (PR) recebe nesta semana o principal evento de construção sustentável da América Latina, a 9ª Greenbuilding Brasil Conferência Internacional e Expo está sendo realizada entre os dias 5 e 7 de novembro, no Salão Principal da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).

A Sputnik Brasil entrou em contato com Celso Kloss, engenheiro do Instituto Paraná Metrologia, para comentar quais são os principais desafios do Brasil para aumentar o número de construções sustentáveis. Segundo ele, o governo precisa estimular o setor com isenção de impostos.

"Alguma forma em que os municípios possam incentivar a utilização dessas alternativas. Se eu não me engano, no estado do Tocantins, tem um município que tem o 'IPTU verde' que é a redução do IPTU para o imóvel que utilizar tecnologia fotovoltaica [que produz energia solar]", defende.

Atualmente, o Brasil ocupa o 4º lugar no ranking de países com mais edificações com certificados sustentáveis (certificação LEED — Leadership in Energy and Environmental Design). São 1.308 projetos registrados e destes, 504 certificados.

A certificação aparece em construções de escolas, creches, lojas, hospitais, entre outras edificações, públicas ou privadas.

"Tanto a geração fotovoltaica tem sido demandada por residências e condomínios, assim como o conceito da construção sustentável com a certificação do LEED, onde ao projetar um empreendimento você se preocupa com todas as questões de redução do consumo de água, de captação de água de chuva, geração de energia, destinação correta de resíduos sólidos domiciliares, de maneira que o impacto que você acaba jogando na sociedade seja cada vez menor", diz Celso Kloss.

Mesmo em alta, fazer um empreendimento sustentável ainda é muito caro no Brasil. Um dos principais motivos, de acordo com Celso Kloss, é que não há fabricantes brasileiros das placas utilizadas para gerar energia solar.

"Uma das alternativas seria a da criação de fabricantes no Brasil, em se falando de geração fotovoltaica. Hoje o Brasil não possui o silício metalúrgico utilizado para a fabricação do painel. Existem algumas unidades no Brasil que fazem a montagem desses painéis, mas o elemento principal, que é o silício metalúrgico, ainda não produzimos no Brasil", argumentou.




CONTATO

(81) 2127-0600

mvs@sindusconpe.com.br

CNPJ 11.010.725/0001-87